Via compartilhada – Pedestres e Ciclistas.

Como é difícil pedalar e caminhar nas vias de passeio pelas cidades brasileiras. Concordo que lugar de bicicleta é na ciclovia ou na rua mas enquanto não haverem infraestrutura adequada e segura, infelizmente o compartilhamento acontecerá. Conflitos na circulação urbana existem. A disputa pelo espaço físico entre os protagonistas é constante. São tantos tropeços verbais vindo de pedestres, como também atos de indisciplina por parte dos ciclistas.
Tudo bem se fosse apenas isso.
Quantas vezes você está caminhando para a estação do metrô ou para o trabalho, não importa, e de repente você esbarra numa pessoa que está de cabeça baixa mexendo no celular? Ou quando alguém na sua frente resolve parar para olhar a vitrine que está do outro lado da rua? Tenho certeza que também você já viveu uma situação em que o ciclista vem na sua direção acreditando que você é quem tem que desviar. Aí você sai pela direita mas antes mesmo de você finalizar o movimento, o ciclista já foi para mesma direção.

” Há só uma regra que conheço: Você tem que ser gentil!”. (Kurt Vonnegut, escritor americano)

foto6a

pedestres e pedestres

Lembre-se:
A situação de hoje que você protagoniza é recíproca. Todos são protagonistas, o que difere é a circunstância de cada um.

A queda do ciclista.

” No caminho do trabalho,

Pedalava tranquilamente,

Um pedestre ao acaso

atravessou abruptamente.

 

Sem tempo de parar

gritei ferozmente,

o pedestre insensível

seguiu publicamente.

 

Em segundos fui ao chão

para evitar a colisão.

Sem desculpas e sem ajuda

fiquei sentado no chão”     por IS.

 

 

Ciclista no chão1                              Ciclista caído2

 

 

Ciclista vista

 

Escultura em metal reciclado. Minha autoria.

Sambando na Via!

Pois é, há ciclistas que confiam no ‘samba’ na rua que pedala.

No caminho do meu trabalho, passou um cilcista pedalando na faixa amarela que divide simbolicamente a via em duas direções. Inacreditável a coragem e ousadia do rapaz. A Rua das Laranjeiras na Cidade do Rio de Janeiro é uma via muito movimentada. Conecta o Bairro Largo do Machado ao acesso do Túnel Rebouças. Muito estreita em relação ao intenso fluxo por situar em um bairro tipicamente residencial com comércio e escolas.

Mas o imprudente ciclista desprovido de responsabilidade arriscava a sua vida ‘sambando’ entre os carros que passavam. Tudo bem que essa atitude fosse uma carência, mas porque envolver terceiros provocando possíveis colisões? Há uma ciclovia nessa rua.

É difícil mesmo compreender: se não tem ciclovia reclamam da falta, se tem – ignoram!

Infelizmente existe cidadão mal-educado sem respeito ao próximo.

IMG_7839

 

Caos Urbano – pedestre X ciclista X atleta (post 01)

A disputa por um espaço nas “ciclovias”cariocas é um sério problema. As vias vermelhas implantadas em vários bairros da cidade coloca  os usuários em constante disputa. É a desigualdade instalada pela ausência de informações, falta de cultura e o pior, educação. A ciclovia, como o próprio nome diz – é uma via para a bicicleta. Diferente de ciclofaixa, onde uma faixa colorida é pintada nas vias de pedestres ou de veículos motorizados.

Não sei se muitos já tomaram conhecimento – a Bicicleta é considerada por Lei (Lei Federal n˚ 12.587/12) “um veículo particular não motorizado classificado como transporte urbano.”(GUIMARÃES, 2012). É fundamental a implantação de infraestrutura adequada – ciclovias segregadas unidirecionais, dispostas paralelamente as vias de passeio com larguras acima de 1,60m para que os pedestres, os atletas, e diversos outros usuários possam circular em harmonia. É claro que o pavimento deve ser o mais liso possível.

Anexei algumas imagens fotografadas na Lagoa Rodrigo de Freitas exemplificando o texto acima.

foto6afoto7a IMG_1007