A Cidade é para todos!

A cidade é o local onde as pessoas caminham, praticam esportes, fazem compras, trabalham, habitam ou simplesmente local de contemplação. É o palco onde abrigam espaços públicos para as PESSOAS. A diversidade urbana envolve misturas de usos sendo importantíssimo investimentos na infraestrutura com transporte de qualidade, segurança, saneamento, saúde, acessibilidade, parques públicos, vegetação, promovendo principalmente soluções para aproximar o trabalho da moradia. Jaime Lerner descreve, “conquanto a cidade seja também o cenário de trocas econômicas, de produção cultural, de exibição de avanços tecnológicos, de fluxos e deslocamentos, ela é, acima de tudo, o lar da maioria da humanidade.”

Para que as cidades funcionem e sejam atrativas, os aspectos físicos, práticos e funcionais devem estar estruturados. Placas informativas, iluminação apropriada e mobiliário urbano são estratégicas indispensáveis para a qualidade de vida da cidade. Paris, por exemplo, vem adotando uma política centrada na cidade para as pessoas. Várias ações estão acontecendo.

 

Banco público1

 

O mobiliário urbano É essencial para o conforto das crianças, dos adultos e idosos. Seja fixo ou móvel, os assentos devem ser confortáveis e dispostos em caminhadas curtas.

 

praçadescanso

 

Nessa rua no Leblon ( Rio de Janeiro), o banco de madeira na calçada convida o descanso na hora do almoço.

 

Banco públicorio

 

Na Alemanha, bancos foram projetados para também serem utilizados `a noite, com iluminação própria.

Mobiliário urbanoMobiliario1b

 

Em relação a limpeza, nada como aspiradores de lixo para fazer a manutenção.

 

Garirua

 

Infelizmente a cidade foi descuidada perante a prioridade do uso do automóvel. Muitas cidades tem dificuldade em transformar espaços públicos para as PESSOAS. É preciso mapear e avaliar os espaços das cidades a fim de promover soluções para as melhorias necessárias. A vida nas cidades está em constante transformação. Soluções existem, a boa vontade é que falta para a reforma urbana.

MANIFESTO DOS PASSARINHOS.

O belo natural não é vitrine, a beleza natural é vida. Em defesa da Amazônia, das florestas tropicais, das florestas urbanas, de um futuro mais humano e sustentável para todos os seres humanos e desumanos, o Manifesto dos Passarinhos reafirma a importância da proteção das florestas frente ao descontrolado desmatamento abusivo. A ausência de políticas reais e seguras no controle do desmatamento da Amazônia e de outras florestas tropicais contribui para a redução da biodiversidade.

“Senhoras e Senhores, adultos e crianças, apresentamos a delicada situação que estamos vivendo perante a velocidade do desmatamento que assola nosso habitat. Corremos o risco de desaparecer. Não somos um movimento ecológico. Somos seres que vivem e dependem da existência da natureza. Entendemos suas necessidades. Compreendemos que dela são retirados os seus alimentos. Sabemos o quanto é vital o oxigênio que ela lhes dá. A importância da madeira para suas moradias. O prazer e as emoções que batem o coração de vocês. Então perguntamos: por que essa destruição? Nossas árvores são nossos abrigos Vocês convivem com ela, mas ignoram o seu valor. Vocês exploram, deformam, queimam. Depositam os seus lixos. Fazem dela o ouro ilusório estimulando o terror. Vocês abraçam a crueldade. Para que serve uma flor de plástico? E uma folha queimada? Floresta devastada, pássaros mortos, animais encarcerados, crianças famintas são a estetização da vida e do consumo humano? Não somos objetos decorativos. Não somos figuras de cera. Somos arquitetos do nosso patrimônio. Contra o corte e o fogo. As grades e os flagelos. Contra as falácias das vozes. Por um olhar verde, hortas urbanas, piqueniques no parque. Pelo frescor das sombras das árvores, abrigos aos infortúnios Pelo cumprimento das leis de conservação das florestas Caminhem conosco nessa Jornada Verde!”   Isabela Saramago.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

foto4

 

foto6

 

 

 

foto3

 

Foto2 foto10 foto8

Virada Sustentável no Rio de Janeiro.

Sust

Nesse fim de semana aconteceu no Rio de Janeiro a Virada Sustentável. Dentre as atrações, destaco o movimento que aconteceu na Lagoa Rodrigo de Freitas no Parque das Figueiras. Vários Escoteiros Mirins do Brasil de diversos municípios recolheram lixos inusitados das margens da Lagoa. Os mais numerosos foram as quimbas do cigarro e garrafas pet. O interessante que após o recolhimento, os lixos eram separados e os pets colocados em um triturador.  Depois era feita uma massa para serem moldados numa forma cujo resultado dava forma a imagem do Cristo Redentor. Essa iniciativa foi mais um desafio da Route Brasil. Foi D+!

Outra surpresa que destaco foi a presença do Dr. Borracha representada pela Mira Maria Margarida. Para quem não sabe, o seringueiro e artesão José Rodrigues confecciona sapatos de látex a partir da extração do leite usado na fabricação da borracha. Segundo ela, esse processo envolve aproximadamente 40 seringueiras na região do Acre. O processo envolve misturas diversas até formar uma manta. Para moldar os sapatos, a manta chega a uma espessura de 2 milímetros aproximadamente. As cores são resultados de misturas de semente de urucum, genipapo e outros.

Sust1

Seus produtos foi exposto em Milão durante o Salone Internazionale del Mobile no ano de 2014.

Está na hora de revermos as tradições populares!

A Fonte

http://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/2016/12/montanhistas-recolhem-r-1-mil-em-moedas-das-cataratas-do-iguacu.html

 

Foram R$ 1mil em moedas tiradas do fundo do rio próximo as cataratas. Praticamente mil pedidos! Pedem-se casas, dinheiro, saúde, segurança … tudo bem! Eu mesmo já joguei moedas. Mas em lugares permitidos e que não envolve o meio ambiente. O metal pode contaminar a água, e as aves pois são atraídas pelo brilho das moedas, segundo a reportagem.

É preciso se dar conta que o mundo mudou. O planeta está mais quente. E a causa já comprovada é a poluição do mar, rios e do ar. Façamos a nossa parte em tornar o nosso habitat mais verde reduzindo as atividadas que poluem.