Sambando na Via!

Pois é, há ciclistas que confiam no ‘samba’ na rua que pedala.

No caminho do meu trabalho, passou um cilcista pedalando na faixa amarela que divide simbolicamente a via em duas direções. Inacreditável a coragem e ousadia do rapaz. A Rua das Laranjeiras na Cidade do Rio de Janeiro é uma via muito movimentada. Conecta o Bairro Largo do Machado ao acesso do Túnel Rebouças. Muito estreita em relação ao intenso fluxo por situar em um bairro tipicamente residencial com comércio e escolas.

Mas o imprudente ciclista desprovido de responsabilidade arriscava a sua vida ‘sambando’ entre os carros que passavam. Tudo bem que essa atitude fosse uma carência, mas porque envolver terceiros provocando possíveis colisões? Há uma ciclovia nessa rua.

É difícil mesmo compreender: se não tem ciclovia reclamam da falta, se tem – ignoram!

Infelizmente existe cidadão mal-educado sem respeito ao próximo.

IMG_7839

 

Pedestre em primeiro lugar!

http://www.arch2o.com/dubai-launch-flying-car-july-2017/

Essa é a estratégia que Paris adotou desenvolvendo projetos voltados para o ato de caminhar por toda a cidade. Seguindo outras cidades da Europa, Paris cada vez mais coloca a mobilidade urbana em primeiro lugar, visando principalmente a segurança dos pedestres.

Veja a reportagem de ArchDaily, por Constanza Martinez Gaete, tradução Romullo Baratto.

 

“Sabe com quem você está falando?”

Pois é, essa tão famosa frase foi dita alguns dias atrás por um cidadão que se exercitava sobre a calçada de passeio. Seu Personal montou uma pequena academia justamente sobre a calçada dos pedestres. É sabido por todos que a calçada é a via de passeio dos pedestres. Questionado com educação, perguntei porque foi montado justamente naquela área se alguns metros depois havia espaço suficiente para se exercitar próximo as instalações dos equipamentos de ginástica. A resposta foi curta: ‘Eu pago um dos IPTU mais caro do Rio de Janeiro e me exercito onde eu quiser”.

Por azar do cidadão, logo reconheci que é um profissional atuante na área de arquitetura e teatro. Uma pena.

É verdade que em muitos pontos da cidade as calçadas são mal cuidadas, são usadas como lixeiras, não são sinalizadas adequadamente mas isso não dá o direito de ocupá-la. Infelizmente no Brasil para a maioria, os pedestres são vistos como pragas urbanas. Faz-se a urgência de campanhas direcionadas às definições do que é calçada, ciclovia, ciclofaixa e área de lazer, para que a mobilidade funcione de maneira recíproca.