O CANTO, poema.

isabela saramago

O CANTO

Balançava numa árvore
quando um lindo pássaro pousou.
Suas penas de vivas cores
brilhavam, e no verde acenou.

O tempo emudecido,
fitou-o por um segundo.
O pássaro muito sabido
cantou no silêncio provido:

– Cante uma canção
do fundo do coração
sem ritmo ou refrão
solte aos berros sua emoção!

Solte um sorriso
alegre e verdadeiro.
Abrace o paraíso
sem rodeio, por inteiro.

Vida que no tempo existe
faça sentido, cante e ria.
Saia do abstrato, o tempo persiste.
Venha para a vida colorida!”

Isabela Saramago

ESPERANÇA

 

IMG_0339

 

 

 

Vivo numa cidade

Onde as ruas são dos carros.

Onde a água é mal tratada

Rios como depósito de lixo

Muitas casas sem esgoto

Pessoas inseguras, famintas.

 

 

Eu fui o ontem.                           IMG_0332

Sou o hoje.

Me chamo Esperança!

Por Isabela Saramago, 2018.

 

 

 

 

 

 

                                                                                                                           Esperança, escultura em metal reciclado

                                                                                                                          Minha autoria.

 

 

 

 

 

 

 

O Vento Levou!

” Cante uma canção

do fundo do coração.

Sem ritmo ou refrão

solte aos berros sua emoção!

 

Solte um sorriso

alegre e verdadeiro.

Abrace o paraíso

sem rodeio, por inteiro.

 

Vida que no tempo existe

faça sentido, cante alegria

saia do abstrato, o tempo existe.

Seja a obra da sua Vida! (por Isabela Saramago)

 

                                                                                                E o Vento Levou – escultura em metal reciclado.  Minha autoria.

 

Acorda Brasil! Nossa floresta a Amazônia, está sendo exterminada!

Não é de hoje que relatos são escritos sobre o desmatamento da floresta Amazônica. A pecuária vem tomando espaço pelo grande consumo de carnes e derivados.

O avanço do agronegócio cuja cultivo da soja vem avançando em grandes extensões de terra gerando a construção de vias de acesso, infraestrutura além da remoção indevida ou pressionada dos colonos.

Como se percebe, esses dois exemplos já são problemas ambientais que estão diretamente ligados à sobrevivência da floresta Amazônica. Temos a obrigação de promover ações urgentes, desenvolver propostas ambiciosas para que haja um equilibrio em todas as partes.

A sobrevivência da floresta depende do quanto o homem tem consciência de que faz parte dela e não ser proprietário.

 

Acorda Brasil .... está acabando!!!

Referência do texto da Revista Filantropia – On-Line – n˚ 70, Blog Bio Terra.

A Riqueza chamada Natureza.

“Alimento o ciclo terrestre,

O bem-estar de todo ser,

Para uns sou respeitada,

Para outros, explorada”.

 

“Pensam que sou um tesouro,

De riqueza infinita,

Com tanta beleza e fartura,

Com coragem então eu GRITO:”

              “- Meu fim está chegando!”

 

A Fonte3  Escultura em metal reciclado. Minha autoria, 2017.

 

Amizade.

Diante das frequentes catástrofes naturais, talvez pelas agressivas ações do homem, talvez por ser assim que a Terra funcione, a natureza vem mostrando a sua força e poder. Respeitá-la é a única condição do homem na condição de preservar nossa espécie como um todo.

 

Amizade

 

Escultura em metal reciclado com acabamento em pátina, minha autoria.

Aprendendo com quem sabe!

Recentemente assisti uma palestra do teólogo e professor Leonardo Boff no Colégio Notre Dame Ipanema. Sobre o tema Ecologia e Sustentabilidade, o professor apresentou a situação do planeta em relação ao aquecimento global descrevendo a trajetória do Homem no seu habitat desde a idade da pedra. Foi um aprendizado.

O homem abusa da Natureza como se fosse proprietário, destruindo-a e violentando-a. As cidades são construídas em prol do capitalismo. A questão de como lidar com o desmatamento, as queimadas, a poluição está-se transformando em cheque-mate para as futuras gerações.

Mesmo sendo reconhecida por muitos países, a degradação do meio ambiente continuará a crescer enquanto o Homem se comportar individualmente.

 

Leonardo Boff  Leonardo Boff e Isabela Saramago.