O CANTO, poema.

isabela saramago

O CANTO

Balançava numa árvore
quando um lindo pássaro pousou.
Suas penas de vivas cores
brilhavam, e no verde acenou.

O tempo emudecido,
fitou-o por um segundo.
O pássaro muito sabido
cantou no silêncio provido:

– Cante uma canção
do fundo do coração
sem ritmo ou refrão
solte aos berros sua emoção!

Solte um sorriso
alegre e verdadeiro.
Abrace o paraíso
sem rodeio, por inteiro.

Vida que no tempo existe
faça sentido, cante e ria.
Saia do abstrato, o tempo persiste.
Venha para a vida colorida!”

Isabela Saramago

ESPERANÇA

 

IMG_0339

 

 

 

Vivo numa cidade

Onde as ruas são dos carros.

Onde a água é mal tratada

Rios como depósito de lixo

Muitas casas sem esgoto

Pessoas inseguras, famintas.

 

 

Eu fui o ontem.                           IMG_0332

Sou o hoje.

Me chamo Esperança!

Por Isabela Saramago, 2018.

 

 

 

 

 

 

                                                                                                                           Esperança, escultura em metal reciclado

                                                                                                                          Minha autoria.

 

 

 

 

 

 

 

VIDA

                                                                                                                         

  Sim, eu sou                                                                                                   Caminho Recreio2

  Sim, eu posso

  Sim, eu canto                     

  Sim, eu faço

  Sim, eu traço

  Meu caminho chamado

  VIDA! (isabela saramago)

 

 

 

Visita a São Paulo, 17 de agosto.

Ao visitar a exposição na Pina Estação próximo a estação da Luz, fiquei incomodada, triste e muda ao encontrar no caminho pessoas mortas vivas, zumbis talvez, no canto, deitadas sobre o jornal ou rodando com seu cachimbo de crack sem propósito ou com propósito não sei, mas estavam apenas postadas prostadas no tempo da VIDA.

“Aos passos largos

olhares tormentam

sem uma palavra

amargos momentos”

 

“Largados no tempo

desprezo da vida

amor rejeitado

ou renúncia nascida?”

 

“Consumo excessivo

mania perversa

flagelo suplício

– Oh vício maldito!”

 

“E sigo as pressas

expressa de medo

um medo partido

catástrofe de peso!”

 

Escrevo, apenas.

Isabela Saramago.