MANIFESTO DOS PASSARINHOS.

O belo natural não é vitrine, a beleza natural é vida. Em defesa da Amazônia, das florestas tropicais, das florestas urbanas, de um futuro mais humano e sustentável para todos os seres humanos e desumanos, o Manifesto dos Passarinhos reafirma a importância da proteção das florestas frente ao descontrolado desmatamento abusivo. A ausência de políticas reais e seguras no controle do desmatamento da Amazônia e de outras florestas tropicais contribui para a redução da biodiversidade.

“Senhoras e Senhores, adultos e crianças, apresentamos a delicada situação que estamos vivendo perante a velocidade do desmatamento que assola nosso habitat. Corremos o risco de desaparecer. Não somos um movimento ecológico. Somos seres que vivem e dependem da existência da natureza. Entendemos suas necessidades. Compreendemos que dela são retirados os seus alimentos. Sabemos o quanto é vital o oxigênio que ela lhes dá. A importância da madeira para suas moradias. O prazer e as emoções que batem o coração de vocês. Então perguntamos: por que essa destruição? Nossas árvores são nossos abrigos Vocês convivem com ela, mas ignoram o seu valor. Vocês exploram, deformam, queimam. Depositam os seus lixos. Fazem dela o ouro ilusório estimulando o terror. Vocês abraçam a crueldade. Para que serve uma flor de plástico? E uma folha queimada? Floresta devastada, pássaros mortos, animais encarcerados, crianças famintas são a estetização da vida e do consumo humano? Não somos objetos decorativos. Não somos figuras de cera. Somos arquitetos do nosso patrimônio. Contra o corte e o fogo. As grades e os flagelos. Contra as falácias das vozes. Por um olhar verde, hortas urbanas, piqueniques no parque. Pelo frescor das sombras das árvores, abrigos aos infortúnios Pelo cumprimento das leis de conservação das florestas Caminhem conosco nessa Jornada Verde!”   Isabela Saramago.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

foto4

 

foto6

 

 

 

foto3

 

Foto2 foto10 foto8

Acorda Brasil! Nossa floresta a Amazônia, está sendo exterminada!

Não é de hoje que relatos são escritos sobre o desmatamento da floresta Amazônica. A pecuária vem tomando espaço pelo grande consumo de carnes e derivados.

O avanço do agronegócio cuja cultivo da soja vem avançando em grandes extensões de terra gerando a construção de vias de acesso, infraestrutura além da remoção indevida ou pressionada dos colonos.

Como se percebe, esses dois exemplos já são problemas ambientais que estão diretamente ligados à sobrevivência da floresta Amazônica. Temos a obrigação de promover ações urgentes, desenvolver propostas ambiciosas para que haja um equilibrio em todas as partes.

A sobrevivência da floresta depende do quanto o homem tem consciência de que faz parte dela e não ser proprietário.

 

Acorda Brasil .... está acabando!!!

Referência do texto da Revista Filantropia – On-Line – n˚ 70, Blog Bio Terra.

Densidade.

Li recentemente o livro da Jane Jacobs – “Morte e Vida das Grandes Cidades”. Escrito em 1961, este livro descreve a importância das cidades serem densas para uma cidade saudável. É incrível a visão realista da autora.

Morei na Barra da Tijuca por 23 anos.  É um bairro espraiado onde vários grupos residenciais se alternam entre edifícios altos e baixos, multifamiliares ou unifamiliares, núcleos comerciais expandida por quilômetros de distância. O Plano Urbanístico proposto pelo arquiteto urbanista Lúcio Costa, seguia a receita americana colocando a mobilidade centrada no transporte motorizado individual. (LÚCIO COSTA, 1995). Posso dizer que adorava essa facilidade de usar o carro para ir na farmácia, no botequim (na verdade o que existe são lojas de conveniências instaladas dentro de postos de gasolina), no banco, pois era fácil encontrar estacionamento seguro e gratuito. Vale ressaltar que era desgastante quando esquecia de comprar alguma coisa pois não dava para ir a pé nem de ônibus – só mesmo usando o carro. Usar a bicicleta também era complicado porque não havia (e acredito que ainda não há) bicicletário e paraciclos. Mesmo assim para mim naquela época era prazeroso.

Mas uma coisa me incomodava muito. Não havia encontros casuais com os amigos. Apenas nos shoppings centers, na praia, nos clubes ou nos mercados. As calçadas não são usadas porque as distâncias entre os estabelecimentos são enormes. Não podemos desconsiderar a importância da presença de pessoas ao longo do dia, pois além de ser saudável, contribui para a segurança.

Jane Jacobs destaca, “a calçada deve ter usuários transitando ininterruptamente, tanto para aumentar na rua o número de olhos atentos quanto para induzir um número suficiente de pessoas” e continua “além do mais, nenhuma pessoa normal pode passar a vida numa redoma … todos precisam usar as ruas”.

Anexei algumas imagens tiradas na Avenida das Américas em diferentes pontos. Percebe-se a presença de carros apenas.

Barra01                   Barra3                          Barra5

É importante tornar as cidades densas. Misturar residências e comércio. Colocar a acessibilidade como fator fundamental para que mais pessoas possam caminhar. E sem dúvida, promover a mobilidade urbana com transporte coletivo eficiente atendendo diversos pontos do bairro.

Reciclando.

Nas últimas décadas, a discussão sobre os resíduos sólidos vem ocupando destaque em vários setores. Os danos ambientais decorrentes dos resíduos mau descartados são consequências, dentre outras, da falta do conhecimento de como fazer o descarte correto. Em nossa cultura desconhecemos a reparabilidade dos objetos – o lixo significa algo sem função que deve ser jogado fora. É importante adotarmos medidas no tratamento dos resíduos descartados para melhorar a qualidade do ambiente em que vivemos.

Nesse contexto, o descarte das bolinhas de tênis inúteis a qualquer partida, podem servir de corpo num divã. Fixa numa estrutura de aço com pintura eletrostática, as bolinhas de tênis funcionam como um massageador corporal.

 

Divã Bol – reciclando bolas de Tênis – Minha autoria.

Divã Tênis

Aprendendo com quem sabe!

Recentemente assisti uma palestra do teólogo e professor Leonardo Boff no Colégio Notre Dame Ipanema. Sobre o tema Ecologia e Sustentabilidade, o professor apresentou a situação do planeta em relação ao aquecimento global descrevendo a trajetória do Homem no seu habitat desde a idade da pedra. Foi um aprendizado.

O homem abusa da Natureza como se fosse proprietário, destruindo-a e violentando-a. As cidades são construídas em prol do capitalismo. A questão de como lidar com o desmatamento, as queimadas, a poluição está-se transformando em cheque-mate para as futuras gerações.

Mesmo sendo reconhecida por muitos países, a degradação do meio ambiente continuará a crescer enquanto o Homem se comportar individualmente.

 

Leonardo Boff  Leonardo Boff e Isabela Saramago.