Ao visitar a exposição na Pina Estação próximo a estação da Luz, fiquei incomodada, triste e muda ao encontrar no caminho pessoas mortas vivas, zumbis talvez, no canto, deitadas sobre o jornal ou rodando com seu cachimbo de crack sem propósito ou com propósito não sei, mas estavam apenas postadas prostadas no tempo da VIDA.

“Aos passos largos

olhares tormentam

sem uma palavra

amargos momentos”

 

“Largados no tempo

desprezo da vida

amor rejeitado

ou renúncia nascida?”

 

“Consumo excessivo

mania perversa

flagelo suplício

– Oh vício maldito!”

 

“E sigo as pressas

expressa de medo

um medo partido

catástrofe de peso!”

 

Escrevo, apenas.

Isabela Saramago.